NO ESCURO E ABANDONADO PARQUE DA REDENÇÃOCORONEL MANDA CHAMAR “O BATMAN OU SUPER HOMEM”!

“SE EU MANDAR UMA VIATURA, OS POLICIAIS SERÃO HOSTILIZADOS…”

O Jornalista Políbio Braga, em seu conceituado e aplaudido site, hoje com quase 17 milhões de leituras, relata um episódio muito triste para Porto Alegre e para o Rio Grande do Sul.  A Polícia Militar, sem efetivo, sem viaturas e sem combustível passou a ser  “A GENI”  de desocupados, aproveitadores  e “empresários de plantão”.

A NOITE ILUMINADA FOI ORGANIZADA POR QUEM?  QUEM AUTORIZOU? AS FORÇAS DE SEGURANÇA FORAM CONSULTADAS SE ERA POSSÍVEL A REALIZAÇÃO DO EVENTO NUM LOCAL ESCURO, “A MEIA BOCA”, COM OBRAS E TAPUMES POR TODO O LADO…?  RESUMINDO: NO ABANDONO CRIMINOSO, PASSÍVEL DE RESPONSABILIZAÇÃO DIRETA DO GESTOR PÚBLICO, NO CASO O PREFEITO DE PORTO ALEGRE, JOSÉ FORTUNATI,  um grupo de pessoas coloca sua integridade em risco e na hora do “vamos ver”, corre e chama a Brigada…

Claro, DEU MERDA!  E agora a Brigada Militar é a culpada! Quem não sabe, que historicamente o Parque da Redenção tem duas realidades: de dia, as famílias ali caminham, se divertem:  à noite, o parque é frequentado por uma população que “esconde” no meio de arbustos e árvores buscando parcerias e negociando drogas e sexo? Isso é REAL. FAZ 60 ANOS…

Esse povo que organizou a “serenata” e não se organizou,  é muito amador! Para não dizer, IRRESPONSÁVEL!

Leia a matéria onde o Coronel Vieira manda chamar o Batmam e o Super-Homem para proteger quem se arriscou sair pelo “escurinho” da Redenção. Uma pessoa de bem não correria o risco de procurar alguma coisa atras de “uma moita,” não é verdade?

E É MUTO BOM LEMBRAR:  A MACONHA AINDA NÃO ESTÁ LIBERADA!

por Políbio Braga!

Os jornalistas não chamaram o Batman. A conversa com o comandante (só jornalista ou gente influente, que tenha contato privilegiado, fala diretamente com o coronel) foi replicada para deixar mal o militar. O local, o horário e o evento ilegal foram totalmente impróprios. Somente pessoas desprovidas de senso acham que a Redenção, uma serenata “cultural” ilegal noturna e a reunião de milhares de pessoas em local sem sequer banheiros químicos (“O pessoal é assaltado quando vai para trás das touceiras fazer as necessidades”, disseram os jornalistas ao coronel, pedindo proteção para a sujeira que promoviam).

O site do jornal Zero Hora deste domingo passou a informação de que um oficial da Brigada Militar, identificado como tenente-coronel Francisco Vieira, comandante do 9º BPM, concedeu uma declaração provocativa na noite do último sábado, após receber denúncia de que estaria ocorrendo assaltos no Parque da Redenção durante a Serenata Iluminada.

Em um grupo do WhatsApp, ele respondeu a dois jornalistas:

– Quem frequenta esse tipo de evento não quer BM perto. Agora aguentem! Que chamem o Batman! Ou o super-homem.Gente do bem está em casa agora!” (…) Então que saiam dali. Eu não aconselho a ficar ali. Até porque se eu mandar uma viatura lá, com dois PMs, serão hostilizados”.

Na região havia somente um carro da Brigada e muitos assaltantes. Os organizadores do evento esperavam 22 mil participantes.

A serenata não tinha permissão para ir ao parque. .

No comando do 9º Batalhão de Polícia Militar, o Tenente Coronel Francisco Lannes Vieira, 45 anos, tem tido presença e atuação marcante junto à comunidade do Bom Fim e região. Natural de Porto Alegre, na Brigada Militar desde 1988, Vieira passou por diversas funções e postos de comando na capital e interior, entre os quais o GATE e o BOE.
Com larga experiência em negociação, o atual comandante do 9º BPM é autor do livro “Negociação Policial, Gerenciamento de Crises e Mediação de Conflitos” e atuou em diversos casos conhecidos da população, como o Sequestro do Lotação – Linha Santana 350, que durou 27 horas e no dia 4 de janeiro passado completou 13 anos. Pós-graduado em Administração Pública, responsável pelo policiamento de 14 bairros, mais as quatro ilhas que circundam Porto Alegre, Vieira tem tido uma marcante atuação na região do Bom Fim. Desde agosto de 2014, quando após a Copa foi provocado pela Associação dos Amigos do Bairro Bom Fim, participa ativamente, junto com o comandante do policiamento local, de reuniões com empresários e moradores que criaram um grupo e uma ferramenta digital em rede social para manter a corporação informada sobre fatos que antes não chegavam ao seu conhecimento.